Serviços

Os serviços oferecidos são Produção, Mixagem e Masterização.

A Produção começa pela Pré-Produção e é feita através de análises do material, ensaios e pela comunicação com a banda (pessoalmente e virtualmente) durante a fase em que a mesma está aperfeiçoando as composições antes de entrar pra gravar. O trabalho então segue para as gravações finais em estúdio com o produtor agindo como mediador entre as preferências pessoais da banda e a parte técnica que vai levar ao resultado esperado.

A Mixagem e Masterização são feitas quase sempre remotamente no meu home-studio. O processo começa por mixar uma música, chegar no som “padrão” dos elementos, enviar ao artista, e depois da aprovação ou pedido de alterações seguir com o desenvolvimento do restante do material. Mixagens ou Masterizações solicitadas em estúdios terceiros devem ser combinadas antecipadamente entre Técnico e Artista solicitante.

Abaixo está um explicação bem detalhada dos serviços, um a um, mostrando a diferença na ordem de cada processo, assim você consegue ter uma noção real da relevância de cada etapa até o produto final.

A canção utilizada para esta demonstração foi composta por mim para uma das bandas que toquei anos atrás; ela se chama “Inverno”, tocada pela banda FeijaoComArroz, e eu assino a composição, produção, gravação, mixagem e masterização.
A intenção de mostrar a evolução de cada processo é esclarecer o que cada etapa contribui e que por muitas vezes não fica claro para quem não é um profissional da área.


PRODUÇÃO
A produção da música começa no que chamamos de “pré-produção”, ou seja, na fase de ensaios e finalização da composição e arranjos. O papel do produtor é extrair o que há de melhor nos músicos para que a canção chegue em um resultado o mais perto possível do que eles tem em mente. O produtor deve ter esse tino para saber as limitações de cada músico e as qualidades a explorar, além de ter um conhecimento básico do estilo musical que a banda ou artista toca e com isso saber para onde o trabalho deve ser levado, tanto em termos de estética e propósito, quanto de timbres, arranjo e experimentações.

Abaixo temos um trecho da música em fase de “demo”, gravada durante um ensaio, e posteriormente a gravação produzida que foi feita para o disco (sem os processos de mixagem e masterização ainda). Note a evolução em termos de arranjo e estética entre uma fase e outra.


MIXAGEM
Após a música ser produzida e gravada em estúdio é necessário balancear todos os elementos gravados a fim de soarem o mais parecido possível com a banda tocando de verdade e ainda sim direcionar o trabalho para o mais próximo possível das referências que a banda ou artista tem como ideal.

Este é um dos processos mais delicados da produção musical pois o técnico de mixagem tem que saber a limiar entre o que foi gravado e o que manipular. Esta canção por exemplo permitia que o técnico desse uma boa “elevada” em timbres, punch, e excitação dos elementos, por isso a diferença entre a gravação “crua” e depois de mixada é evidente.

É interessante ter em mente que isso varia muito de trabalho a trabalho, já que por exemplo ao mixar um trio de Jazz o mínimo de mudanças no som original será melhor pro resultado final, visto que se trata de uma estética mais suave e cheia de dinâmica; Quando se trata de música moderna (Pop, Rock, Metal, Funk, etc) a liberdade de manipular os elementos para que estes ganhem mais força e cor é infinitamente maior, até porque o mercado acabou sendo direcionado para produções cada vez maiores (lembrando que cada trabalho deve ser levado a vontade do artista em consideração acima de tudo).

Abaixo temos novamente o trecho da música como foi gravada em estúdio e na sequência o resultado da etapa de mixagem da mesma.


MASTERIZAÇÃO
Temos como última etapa a Masterização que consiste em dar um “acabamento final” na música como um todo, ou seja, pequenas melhorias em algumas frequências e dinâmicas para que o resultado final soe bem tanto nas caixas de uma casa noturna de grande porte quanto no alto falante mais “modesto” do seu celular por exemplo.

É nessa fase que o técnico cria um “padrão” de volume entre a sequência de faixas que compõem um disco tendo como referência outros trabalhos de sucesso no mercado, a fim de que o disco possa “competir” de igual pra igual com os principais lançamentos quando executado nos mais diversos players.

Abaixo temos novamente o trecho da música já mixada e na sequência o resultado final da masterização. Note que a diferença de volume é a principal característica em evidência, porém outros detalhes de correção de frequências e dinâmicas também foram aplicados no processo.